2016: Diversificar no exterior antes que seja tarde demais!

2016: Diversificar no exterior antes que seja tarde demais!A economia brasileira caiu 1,9% no segundo semestre de 2015, afundando em uma recessão que tem esmagado a popularidade da Presidente Dilma Rousseff, enquanto ela se aperta para salvar a grade das taxas de crédito de investimento do país em meio a um enorme escândalo de corrupção.

Os esforços de Dilma para cortar gastos, aumentar os impostos e controlar a inflação não conseguiram levantar os negócios e a confiança do consumidor que estava baixa e deixou a coalizão de seu governo em frangalhos.

Os investimentos caíram 8,15%, despencando para o oitavo trimestre consecutivo no mais longo do tipo desde a série de dados atual que começou em 1996. O consumo das famílias caiu 2,1%, a pior queda desde 2001, o desemprego atingiu uma alta de cinco anos e os preços ao consumidor saltaram 9% em 12 meses.

“A queda no consumo mostra a crise de confiança que a economia está enfrentando”, disse Newton Rosa, economista-chefe da SulAmérica Investimentos. “Esta vai ser uma intensa e prolongada recessão e eu não vejo uma recuperação este ano.”

A taxa de aprovação de Dilma caiu para apenas um dígito em pesquisas recentes, enquanto a economia piora e o clima político azeda, agravados pela crescente evidência de um esquema de propina que canalizou bilhões de dólares saídos de empresas estatais.

Os maiores grupos de engenharia do Brasil tiveram executivos presos e contratos congelados no escândalo, que ameaça congelar grandes obras públicas e investimentos no setor da energia.

Consequências políticas do escândalo também fizeram com que alguns dos principais aliados no Congresso ficassem contra Dilma, sabotando seus austeros esforços e fortalecendo as chamadas da oposição para um impeachment. Os gastos do governo subiram 0,7% no segundo trimestre.

As agências de crédito rebaixaram o Brasil ao status de quase-lixo este ano e alertaram sobre mais rebaixamentos se o governo não puder fechar essa lacuna no orçamento e estabelecer as bases para o crescimento econômico.

“Os indicadores de atividade econômica estão críticos para a classificação de grau de investimento do Brasil”, disse Siobhan Morden, chefe de estratégia da América Latina da Jefferies. “As expectativas para o crescimento este ano e no próximo ano ainda estão propensas a revisões em baixa.”

O IBGE revisou o crescimento do primeiro trimestre para uma queda de 0,7%, de um declínio de 0,2% relatado em maio, que deve forçar os economistas a rever as suas previsões anuais.

Os economistas já esperam que a economia do Brasil encolha mais de 2% este ano, a pior queda desde 1990, e mantenha a contratação em 2016, de acordo com uma pesquisa semanal do Banco Central.

 

2016: Diversificar no exterior antes que seja tarde demais!

Com todas essas notícias e índices trágicos a respeito da economia brasileira, fica cada vez mais evidente a necessidade de encontrar soluções para diversificar no exterior, através de alternativas eficientes para resguardar seu patrimônio. É importante que essas ferramentas correspondam sempre ao que está previsto em lei e, de fato, sejam eficazes. Separamos quatro delas:

Diversificar bens: embora muitos acreditem que estão diversificando apenas ao apostar em depósitos bancários, CDs e bolsa de valores, o real significado de diversificação de portfólio inclui investir em imóveis no exterior, metais preciosos, vinhos, coleções de arte e relógios luxuosos. As opções são inúmeras.

Dispor de uma estrutura jurídica fora do país: é possível fazer uso de baixas cargas tributárias tendo uma estrutura jurídica no exterior. Com isso os custos administrativos da empresa são reduzidos quando comparados ao processo brasileiro, aqui no Brasil tanto para abrir quanto para administrar uma estrutura jurídica, além do sistema ser burocrático ao extremo, é muito oneroso.

Salientamos que ao fazer uso de uma estrutura jurídica no exterior é preciso seguir todos os procedimentos baseados na lei, isso é essencial para evitar qualquer indício de sonegação de impostos ou lavagem de dinheiro. Ao fazer tudo de forma legal, inúmeras vantagens se abrem: aumento do lucro, diminuição de custos, diversificação do patrimônio e proteção de bens.

Investir em imóveis fora do Brasil: essa opção traz dois benefícios, aumento do capital e possibilidade de diversificação de investimentos.

Abrir uma conta bancária no exterior: ter acesso a outras moedas fica muito mais simples com a abertura de uma conta bancária fora do Brasil, isso extingue a possibilidade de se estar vulnerável ao dólar ou ao real. Este também é um modo seguro de evitar que todo seu dinheiro fique desprotegido em casos de congelamento bancário.