Qual o funcionamento e prática de um banco internacional?

Banco Offshore

Muitos empresários e pessoas já ouviram falar sobre operação Bancária no exterior, mas não tem certeza sobre os benefícios, implicações legais, ou mesmo o que isso envolve.  Ao adquirir uma melhor compreensão da operação bancária, os empresários podem decidir se é relevante para a sua empresa e para os seus próprios investimentos.

Então como é o funcionamento e prática de um banco internacional?

Tecnicamente falando, ter uma conta em um banco no exterior é simplesmente ter uma conta bancária localizada em outra jurisdição e não no mesmo país em que o titular da conta (seja um indivíduo ou uma empresa) está localizado. Por exemplo, uma pessoa que vive na França, que mantém uma conta bancária nos EUA tecnicamente tem uma conta internacional. No entanto, a operação bancária internacional é mais comumente usada para se referir a contas configuradas em jurisdições que oferecem benefícios fiscais e garantia à confidencialidade. Se, além da conta bancária nos EUA, este residente francês possui uma conta bancária no Panamá (a jurisdição percebida como sendo um paraíso fiscal), então ele estaria engajando-se em bancos internacionais.

Quais são os benefícios do sistema bancário internacional?

Em primeiro lugar, mantendo uma conta corporativa em um banco offshore, os empreendedores podem desfrutar de:

  • Contas bancárias também podem ser estruturadas em várias moedas para que os empresários possam evitar o pagamento em moeda estrangeira, comissões sobre as transferências de dinheiro, reduzindo assim o risco de taxa de câmbio de sua empresa.
  •  Isenção de impostos locais
  • Diversificação da carteira de moedas
  • Diversificação política
  • Internacionalização dos negócios

No geral, ter uma conta internacional apresenta muitos benefícios atraentes para os empresários e seus negócios.

Percepção negativa sobre contas no exterior

Há uma percepção de que conta offshore é um meio de evasão fiscal e, de fato, algumas empresas e indivíduos se envolvem com bancos no estrangeiro para esta finalidade. Como resultado, muitas jurisdições internacionais assinaram acordos de dupla tributação e de intercâmbio de informações , tratados com outras nações, por meio do qual informações sobre o titular da conta e de informações fiscais podem ser trocadas para auxiliar as investigações sobre evasão fiscal. A Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE) também criou diretrizes rígidas a fim de controlar e reduzir o abuso dos sistemas fiscais, como a diretiva relativa à tributação da poupança.

Desde 11 de setembro de 2001, devido a ataques terroristas, os esforços significativos estão sendo direcionados para o combate à lavagem de dinheiro e outras práticas ilegais. Porém, a propaganda que os governos utilizam atualmente para prevenir ataques terroristas nada mais é para camuflar o rombo que eles têm nos seus próprios cofres e por isso ficam atrás do dinheiro das grandes empresas que têm suas filiais e subsidiárias em paraísos fiscais. Obviamente, todos que utilizam esse caminho ficam expostos a essa invasão de privacidade que os governos vêm justificando que é por conta do terrorismo! Na realidade, a maioria dos clientes que são vítimas dos governos NÂO são terroristas e muitos têm a intenção de fugir da alta carga tributária que são expostos em seus países.

Além disso, os paraísos fiscais tradicionais, como a Suíça têm estado sob pressão para aumentar a transparência e cooperação com os governos, como reguladores para acabar com a evasão fiscal e reforçar a legislação fiscal. Como tal, a gestão internacional começou a mudar a partir desses paraísos para jurisdições mais respeitáveis, ainda mais privadas, como Cingapura.

Além de Cingapura, outros locais são considerados estratégicos para a operação bancária, entre eles estão Hong Kong e Dubai / Emirados Árabes Unidos. Estas jurisdições contem relativamente baixos impostos e proporcionam excelentes tecnologias bancárias de Internet que são seguras, fácil de navegar e altamente eficiente.

Em última análise, a jurisdição escolhida para configurar uma conta bancária depende de onde sua empresa está localizada, onde o rendimento das empresas é proveniente, bem como seus objetivos pessoais e empresariais.

Além do mais, é muito importante saber que os bancos offshore estão cada vez mais rigorosos no processo seletivo de aceitar clientes estrangeiros. Por isso é importante trabalhar com uma consultoria conceituada que pode auxiliar o cliente estrangeiro na abertura de tal conta bancária.

Serviços profissionais de empresas de consultoria podem ajudar as empresas com a tomada de decisões e procedimentos envolvidos, para garantir que todos os aspectos legais sejam cumpridos e ainda tirar proveito dos benefícios de uma conta bancária internacional pode oferecer.

GARANTIAS DE ABERTURA DA CONTA

  • A abertura da conta bancária fica a critério exclusivo do banco.
  • SOCIEDADE INTERNACIONAL não assume a responsabilidade na decisão tomada pelo banco. O banco pode alterar o procedimento de abertura de conta, termos e requisitos a qualquer momento
  • Se o cliente recusar fornecer a documentação e/ou informação exigida pelo banco e/ou fornecer informações falsas ou incorretas ao representante do banco e / ou de SOCIEDADE INTERNACIONAL, a taxa referente a consultoria de abertura da conta não será reembolsada nem transferida para pagamento de outros serviços prestados por SOCIEDADE INTERNACIONAL.
  • O valor pago pelo processo de abertura de uma conta através da SOCIEDADE INTERNACIONAL não é reembolsável, porém em caso de rejeição da conta bancária por qualquer outro motivo, exceto o do citado no ponto anterior, a taxa referente a consultoria de abertura da conta bancária será creditada no pagamento de uma abertura de conta alternativa ou outros serviços prestados por SOCIEDADE INTERNACIONAL
  • As taxas de consultoria de SOCIEDADE INTERNACIONAL relativas à abertura da conta bancária não incluem taxas exigidas pelos bancos e / ou depósito exigido pelos bancos.