Proteja seu patrimônio contra o confisco de bens

Proteja seu patrimônio contra o confisco de bens

Armazenar parte do seu patrimônio no exterior é uma forma de protegê-lo contra roubo e crises financeiras e políticas no país, as quais podem terminar em confisco de bens.

O confisco de ouro ocorreu em diversos perídos históricos: presidente Roosevelt confiscou o ouro dos cidadãos dos EUA, em 1933, por ordem executiva; Mussolini confiscou 35 toneladas de ouro dos italianos, em 1935; Hitler coletou US $ 97 milhões em ouro da República Checa, em 1939; e a Austrália fez o mesmo em 1959.

Obviamente que, na maioria dos casos citados acima, a mensagem enviada aos cidadãos é que o confisco de ouro é um ato patriótico. E não deixa de ser! Todos nós devemos ter orgulho de ajudar o nosso governo quando ele solicita o nosso ouro e está disposto a dar notas promissórias em troca. Porém, certamente nossa tranquilidade e seguridade financeira devem ser postas em primeiro lugar.

Para sobreviver a momentos de agitação financeira e quedas de Estado, é melhor prevenir do que remediar. Ou seja, diversificar seu patrimônio no Brasil e no exterior são ingredientes necessários para sobreviver e continuar prosperando independente da intensidade das crises.

A seguir estão algumas das principais questões que é preciso considerar para proteger-se do confisco de bens:

1. Armazenamento de metais preciosos e outros ativos fora do sistema bancário:

O mais importante é ter seus ativos fora do sistema bancário! Já observamos casos, em outras partes do mundo, onde gerentes de contas tiveram que abrir o cofre com seus clientes para que o banco pudesse confiscar o ouro em nome do governo. Devido à estreita ligação entre bancos e governos, confisco de bens geralmente começa no sistema bancário, com o congelamento de todos os ativos. Além disso, se o banco vai à falência ou um feriado bancário é declarado, pode ser muito difícil recuperar o acesso por um longo período de tempo. O ideal é armazenar seus ativos em um estabelecimento terceirizado e especializado nesse tipo de serviço, preferencialmente no exterior.

2. Diversificação entre jurisdições seguras:

Mantenha ativos fora do país em que você vive, em uma jurisdição de segurança, que ainda respeita os direitos de propriedade e onde o poder dos políticos é limitado. A Suíça, por exemplo, tem uma forte estrutura federal limitar e o poder do governo é central, sendo a última democracia direta restante neste planeta. O poder dos políticos é, portanto, limitado. Outras jurisdições que também tem uma ótima reputação para proteção de bens são Hong Kong e Cingapura. O único argumento para estes dois locais é o fato de que a China fala abertamente sobre seu objetivo de que o Remimbi deve tornar-se uma nova moeda de reserva do mundo em 2015, substituindo o dólar.

3. Evite países que confiscaram ouro no passado:

Evite locais de armazenamento em países que já sofreram o confisco do governo no passado como, por exemplo, os Estados Unidos, Alemanha, Itália, Austrália e Rússia.

É importante ressaltar que a maioria do confisco de ouro aconteceu na década seguinte à Grande Depressão de 1929. Os governos precisavam desesperadamente de dinheiro ou estavam em um estado de destruição de sua própria moeda. Isso prova o fato de que os governos desesperados estão dispostos a fazer o que for preciso para corrigir a situação catastrófica financeira que eles mesmos não souberam administrar.

4. Pesquise qual o sistema jurídico que a empresa de armazenamento que você escolheu está usando:

Atenção! Armazenar ouro ou prata com uma empresa que está operando sob a jurisdição de um dos países acima mencionados se tornará uma enorme desvantagem quando o governo decidir congelar os bens de uma empresa em uma base global.

Diversificar no exterior é a melhor estratégia para proteger seu patrimônio

Os governos não podem facilmente apreender o que está fora de suas fronteiras. Por isso você deve considerar em proteger seus ativos no exterior. Esta triste realidade significa que você precisa tomar uma atitude antes que seja tarde demais.

É importante começar a diversificar internacionalmente o seu patrimônio – e sua vida. Invista em mercados internacionais, na criação de uma estrutura jurídica com a estratégia de fazer uma segurança de seus bens ou até a obtenção de uma residência ou cidadania em outro país.