Intercâmbio de Informações Fiscais entre Brasil e EUA: Tio Sam e Leão unidos e munidos para te vigiar

Intercâmbio de Informações Fiscais

Foi promulgado no dia 15 de maio de 2013 o acordo firmado entre os Governos do Brasil e Estados Unidos para o Intercâmbio de Informações fiscais. A partir de agora, tanto Brasil quanto EUA poderão pedir informações tributárias de suas respectivas administrações fiscais. Aqueles que gostam de investir no mercado financeiro e imobiliário americano devem estar cientes que há possibilidade de cooperação entre as fiscalizações de ambos os países, claro que sempre de acordo com os limites correspondentes a cada uma das legislações.

Obviamente, alguém tem que pagar as dívidas da crise global, e normalmente aqueles que fizeram as dívidas são os que determinam quem tem que pagar por ela! O governo americano está desesperado para arrecadar fundos para dar conta do rombo que eles próprios fizeram. Por isso está à caça desesperada daqueles cidadãos que têm conta no exterior e, consequentemente, todo mundo paga um preço por isso.

E, oficialmente, o que a Receita Federal diz sobre isso? No website da Receita Federal é possível encontrar a seguinte justificativa para tal medida: “Acordos dessa natureza, cuja celebração vem sendo intensificada pelo Brasil nos últimos anos, são fundamentais para o combate à fraude e à evasão fiscal e ao planejamento tributário agressivo ou abusivo, impedindo assim a erosão da base tributária do País. Constituem, ainda, importantes instrumentos na luta contra o crime organizado e a lavagem de dinheiro.”

Por trás de tudo isso está o fato de os governos em geral não simpatizarem nenhum pouco com a ideia de uma empresa ou conta bancária offshore, pois para eles é muito mais viável que os cidadãos mantenham todo o seu patrimônio na mesma jurisdição, onde os governantes possam controlar toda e qualquer ação.

Essa propagação que envolve associar a operação bancária e empresa offshore ao crime tributário é uma estratégia do governo para que as pessoas estejam convencidas que o melhor é manter todo o capital em uma só jurisdição (para tranquilidade e controle do governo).

Vivemos continuamente preocupados com o roubo de identidade, de dados e com a privacidade na internet, sem nos darmos conta que os governos fazem isso constantemente conosco.

Leia o artigo sobre Crime Tributário para saber como os governantes de vários países do mundo controlam seus habitantes.